Seguidores

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

MATERIAIS EXPRESSIVOS

O estudo detalhado do material é muito importante em Arteterapia. Cada um em particular, tem propriedades que mobilizam emoções e sentimentos de maneiras diversificadas a cada indivíduo.
É necessário que o terapeuta analise o valor terapêutico do material para cada cliente, pois podem penetrar de maneira mais rápida e em particular nos conflitos internos e inconscientes do indivíduo.

1 Desenho

Podem ser utilizados o giz de cera, pastel a óleo, pastel seco, lápis de cor, lápis de cor aquarelado, hidrocor, carvão e lápis grafite. Todos tem significado terapêuticos semelhantes.

No desenho, a coordenação motora fina é bastante trabalhada, portanto o controle é essencial, não só o motor, mas principalmente o intelectual. A atenção, a concentração e o contato com a realidade são explorados.
O desenho de cópia, enfoca a atenção na realidade exterior, e é indicado em pessoas que fantasiam, sonham, obrigando-as a perceber e reproduzir a realidade tal como ela é. A imensa dificuldade que encontram em reproduzir, não é só o medo de errar, é a própria dificuldade de dar direcionamento em sua vida. É indicado para pessoas dispersas, sonhadoras, confusas e adolescentes.
No desenho livre, as pessoas entram em contato com sua realidade interna, deixando fluir conteúdos que estejam ao ponto de emergir.
Nos desenhos dirigidos, aqueles feitos a partir de um tema que o Arteterapeuta escolhe, os indivíduos entram em contato com sua realidade, mobilizando emoções bloqueadas que precisam vir à tona. Indicados para pessoas deprimidas, com tônus vital rebaixado.
Quando preferimos os desenhos monocromáticos, trabalhamos com emoções superficiais, a nível periférico; e quando utilizamos o colorido, lidamos com os profundos.
Não é necessária análise do desenho, e sim a análise da interpretação do indivíduo com relação ao feito.



2 Pintura

Quando a pintura flui, fluem ali, emoções e sentimentos, expressados. A esfera afetivo emocional está mais abrangente, pois as pinceladas lembram o fluxo respiratório, a vida. As tintas geralmente utilizadas são: guache, aquarela, anilina, óleo, acrílica e nanquim.
A tinta guache exige maior controle de movimentos, libera emoções e incentiva a imaginação.
Quanto mais densa, mas controle dependerá.
A aquarela, devido a sua leveza, e o uso obrigatório da água, mobiliza ainda mais o lado afetivo. Indicada para pessoas muito racionais e com dificuldade afetiva. Contra indicada para deprimidos.
Devido a dificuldade de fazer figuras por ser muito aguda, a anilina é ótima para pessoas que tem medo de perder o controle das coisas.
Exige mais controle dos braços no traçado.
A tinta óleo, é recomendada para pessoas com depressão, pois possibilita maior equilíbrio da situação.
O nanquim, quando puro é de fácil controle, mas exige agilidade e sensibilidade. Quando usado com água, é mais fluída, exigindo muito mais habilidade, atenção e concentração.
Quanto mais expressão, mais auto conhecimento e mais autoconfiança. A pintura, assim como o desenho, pode ser livre, de cópia, ou dirigida.
Com a pintura, trabalha-se a estruturação e a área afetiva emocional, chegando ao equilíbrio das emoções. E quanto mais diluída for a tinta, mais emocional é o resultado.

3 Modelagem
A modelagem pode ser feita com massa caseira, argila, biscuit, cera de abelha, plasticina, papel machê e massa de modelar.
O efeito da modelagem atua nas sensações físicas (leva ao relaxamento) e viscerais, como também no sentimento e cognição. A técnica exige uma canalização de energia adequada, por partir do nada para a criação de algo podendo ser livre ou dirigida. Pessoas rígidas ou ansiosas, tem ganhos muito grandes.
A sensação de estar em contato com o barro, pode ser muito gratificante ou não. A argila age como transformadora, de um estado de desencontro para um estado de equilíbrio, podendo trazer à tona conflitos internos indesejáveis. Por ser moldável, integra o ser com o mundo exterior, mostrando-o que pode adaptar-se às situações, sendo fluida, recebe projeções e é dominada, favorecendo ao manipulador, a libertação das tensões, fadigas e depressões, pois é um material vivo e de ação calmante.
No físico, trabalha questões ligadas a estruturação e coordenação motora. No emocional mobiliza sentimentos e emoções primitivas, para que possam ser conhecidas e trabalhadas.
Nos casos de negação e resistência à argila, oferta-se o papel machê ou a massa de farinha de trigo, pois de início não devemos forçar, e com a adaptação a estes recursos, aos poucos inclui-se o barro.
O papel machê é um material frio e viscoso, mas que também nos oferece retornos, pois podemos moldá-lo e criar, não chegando aos efeitos da argila, por não ser um produto natural primitivo.
A massa de farinha de trigo e sal, é feita pelo próprio terapeuta, com ou sem ajuda do paciente, variando cores. E ao contrário do papel machê, é utilizada estando morna, para melhor manuseio. Em termos terapêuticos, pode levar os adultos, a recordações maternas, ou da infância. Proporciona também a capacidade criadora, auto-estima, catarse emocional, auto-confiança e auto domínio.

4 Construção

É a mais complexa, pois apresente diversos materiais expressivos, diferentes energias sendo disponibilizadas, disponibilizando uma elaboração cognitiva maior para estrutura-ló. Só é indicada na terapia depois que o cliente já experimentos outros materiais.

Uma diferença importante entre as outras é que esta é tridimensional, trabalhando diversas noções entre peso, tamanho, forma, posição e espaço. No tamanho podemos perceber profundidade, comprimento, largura e volume; nas relações espaciais temos vertical, horizontal e o transversal; suas texturas são foscas, polidas, chapiscadas, asperas, lisas, enfim a um universo de coisas a serem percebidas. A construção pode ser vista de diversos angulos e distancias, dependendo do tamanho como se apresenta.
Verificamos o eixo de EQUILÍBRIO do cliente na confecção da construção sermos os facilitadores para que este perceba sua estrutura emocional, diante de seus erros e acertos, pois a materialidade neste caso apontará suas dificuldades, não só externas do manuseio, mas de conteúdos internos. Estruturar sua construção é reorganizar, se conscientizar, poder mudar o que esta dentro, buscando harmonia não só fora, mas principalmente dentro. 
É um processo de auto conhecimento que envolve edificação, integração, composição, coordenação, equilíbrio, construção, reconstrução e agregação dos materiais reunidos.
Cabe ao arteterapeuta prestar bastante atenção na construção de seu cliente: de onde começou, como juntou as partes, se precisou da ajuda do terapeuta, se fez ou desfez uma parte do processo, qual parte junta que esta mais presa, qual é mais facil de se desfazer, descolar... enfim não são só aquelas questões que vemos com os outros materiais.  




4 Sucata
O trabalho com a sucata estimula a  reconstrução, a criatividade, as percepções, a atenção, a construção, a transformação, o concreto e a mudança.
É um material transformador, pois dá-se uma nova utilidade ao que antes era lixo. É a mudança através do concreto, é a busca de possibilidades de transformação e do reaproveitamento.
Por poder aliá-lo a pintura, a colagem e a modelagem, é uma atividade rica e complexa, que mobiliza o conteúdo interno, e já transforma-o, reaproveitando-o de forma benéfica. O terapeuta deve ficar atento, para que nenhum detalhe escape, pois é um trabalho de muita sutileza.
Materiais diversos devem ser utilizados ( plásticos, vidros, papéis, madeira, tecidos) de forma livre ou dirigida.

5 Colagem



“A colagem propicia um campo simbólico de infinitas possibilidades de estruturação, integração, organização espacial e descoberta de novas configurações. É instigante como um mapa do tesouro, pois as informações estão ali desde o princípio, embora, num primeiro momento, nem sempre consigamos decifrar os códigos em que estes mapas estão cifrados” (Philippini, 2009, p. 24)

É uma atividade estruturante que pode ser realizada com materiais diversos: recortes de revistas, jornais, pedaços de papéis coloridos, diversos grãos, serragem, cortiça, purpurina, tecidos...
Nesta atividade, o cliente busca nos materiais, idéias que possam expressar e comunicar seus sentimentos, emoções e idéias em relação ao tema. O planejamento, o direcionamento, e a atenção do paciente, ajudam na estruturação de sua vida.
É um recurso rico, pois o indivíduo planeja, analisa, fica atento, concentrado, organizado e paciente. 

A colagem propicia estruturação, integração, organizações e descobertas de novas configurações. Além de ser bem grande os inúmeros materiais que podem ser usados, está em questão as imagens, a relação entre as figuras e como se relacionam entre si, pela presença de polaridades cromáticas, a posição e ocupação sobre o suporte e o movimento.

6 - FOTOGRAFIA (FOTO = LUZ + GRAFIA = ESCRITA)


Fotografia (congelamento do tempo) é uma imagem arquetípica da persona e a posse da imagem é o ato símbolico de apreciação do próprio ser, o que vale a pena olhar. Manifestação do sagrado.
Recurso expressivo do qual pode ser  ampliado ou transformado por outros materiais, podendo ser acompanhado de pintura e colagem, por exemplo, para mais clareza do campo simbólico sobre algo registrado pela luz.
Uma outra forma de trabalhar com fotos e de forma bem lúdica é a criação e dramatização de personagens para serem fotografados. Forma de inundação dos conteúdos inconscientes átraves de figurinos e adereços. Resgatando a auto imagem, resgatando a própria identidade, a auto estima.
A emoção cristalizada na fotografia é uma pista de dados sobre "o ontem, tão hoje", pois se traz no presente é porque aquela emoção de alguma forma ainda está ali presente, ainda que o cliente não tenha consciencia muitas vezes, imaginando que o já, não é mais.
É importante é o relato do fato, o que suscita na mente e no coração de cada observador. Quem tirou? Por que tirou? Onde e quando foi feita? O que significa? Que questões e sentimentos suscitam?
Trabalho para expressar e reviver afetos, através da memória afetiva resgatando uma via eficaz de comunicação, recuperando percursos cronológicos e existenciais.

Referencia Bibliográfica

Philippini, Angela, Linguagem e Materiais Expressivos em Arteterapia: Uso, Indicações e Linguagens e Propriedades. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2009.
Philippini, Angela, Arteterapia: Métodos, Projetos e Processos. 2ª ed, Rio de Janeiro: Wak Ed., 2009

3 comentários:

  1. Querida Roberta,

    Fiquei imensamente feliz com sua visitar em meu blog. E lendo este seu maravilhoso artigo descubro que tenho muito a aprender com vc. Sim o Pássaro Azul me marcou profundamente assisti tanto a versão dos anos 60 quanto a dos anos 40 coma Shirley Temple. Acabei de adicionar vc no face e a boneca Emília de jornal que seguro na minha foto de perfil de lá fui eu quem fiz.

    http://emaranhadorufiniano.blogspot.com/2009/12/camara-cascudo-e-malba-tahan-no-orestes.html

    http://emaranhadorufiniano.blogspot.com/2009/02/diversao-e-cidadania-em-recreio-nas.html

    Esses dois links são de pages do meu blog onde mostro em fotos trabalhos feitos com crianças do bairro-escola. Uma delas fizemos pinturas inspiradaas em poemas de Augustos dos Anjos, Tomas Antônio Gonzaga e Olavo Bilac. Prometo voltar outras vezes para beber dessa fonte tão saudável da sua sabedoria enriquecedora. Bjs!!!

    ResponderExcluir
  2. Rufino, poeta...

    obrigada por suas palavras, palavras incentivadoras como as suas me fazem pensar que vale a pena, pois sou apenas uma APRENDIZ... MUITO GRATA POR DEUS POR TUDO QUE ELE TEM FEITO NA MINHA VIDA E NOS LUGARES QUE TEM ME LEVADO, SEM ELE NÃO SOU NADA!!
    A DEUS TODA HONRA E TODA GLÓRIA!

    Obrigado pelo seu ACOLHIMENTO e estarei sempre aqui disposta no que eu puder lhe ajudar!
    Grande beijo, fique com Deus.

    ResponderExcluir